Que f… Sobrenome causa embaraços para jogador brasileiro de basquete

Spread the love

Já imaginou carregar em seu nome completo um palavrão bem feio e que não cai nada bem quando pronunciado frente a pessoas estranhas? Pois bem. Um brasileiro tem sofrido bastante com isso não apenas no basquete universitário canadense como também em seu dia a dia na América do Norte.

Ele atende pelo nome de Guilherme Carabagiale Fuck (lê-se Fúqui) e vive na pequena cidade de Medicine Hat, onde defende o Rattlers. O sobrenome de origem alemã que herdou de seu pai é uma ofensa pesada. Se em português o significado é nulo, em inglês quer dizer f…

E justamente por causa disso, Guilherme, que também já atuou no basquete universitário americano, nunca pôde ser registrado com seu último nome. Em todas as listas, sempre foi identificado como Guilherme Carabagiale. Algo que ele está tentando mudar .

“Quando fui jogar nos Estados Unidos em 2011, na North West College de Wyoming, não deixaram eu usar meu último nome. O treinador disse que seria muito ofensivo e a comunidade não iria aceitar. Tanto que só me chamavam de Gui nos dois anos que fiquei lá. No ano passado, vim para o Canadá e deixei claro que fazia questão de usar meu último nome, tenho orgulho dele e sempre fui conhecido assim quando joguei no Brasil (passou por equipes como COC/Ribeirão Preto, Paulistano e São Caetano). No primeiro semestre, ficaram meio receosos e me registraram como Carabagiale. A partir de março, passei a ser registrado como Fuck  e isso causou uma grande repercussão, principalmente após sair uma reportagem no jornal de Medicine Hat. Agora, estamos jogando o campeonato nacional e até os narradores passaram a usar meu último nome. Mas eles escrevem de uma maneira que a pronúncia não seja a mesma do palavrão”, contou Guilherme em entrevista por telefone ao UOL Esporte.

Ele relembrou também que antes mesmo de chegar para jogar nos Estados Unidos enfrentou uma rejeição que quase o impediu de jogar em Wyoming.

“Mandei um DVD para o técnico com meu nome Guilherme Fuck escrito nele. Ele me disse que nem queria ver pois não acreditava que eu tinha este sobrenome. Depois, viu que era verdade e foi mostrar para todo mundo. Ele rachou o bico”, disse o brasileiro, que tem 26 anos, mede 1,96m e tem registrado médias de 18 pontos e dez rebotes por jogo pelo Medicie Hat Rattlers.

Se no mundo esportivo, aos poucos, Guilherme tem tornado seu sobrenome algo normal, o mesmo não se pode dizer de sua vida fora das quadras. Chamar-se Fuck em um país de língua inglesa já lhe causou alguns constrangimentos e até fez pessoas se irritarem com ele.

“Às vezes vou a algum lugar para fazer registros e preciso dar meu sobrenome. As pessoas pedem para eu soletrá-lo. Aí eu falo F-U-C-K e tem gente que fica me olhando com cara feia, diz que estou faltando com respeito”, disse o brasileiro, soltando gargalhadas.

“Tem também outras pessoas que se divertem, que acham que tenho o sobrenome mais legal do mundo. Já aconteceu de eu ir ao aeroporto, apresentar o passaporte e o atendente mostrar para os colegas o meu sobrenome. Acham o máximo”, diverte-se Guilherme, que decidiu cursar administração em Medicine Hat após ter dificuldades em se firmar no basquete brasileiro e conciliar treinos e estudos.

No mundo virtual, Guilherme também tem seu nome censurado. O Facebook, por exemplo, não permite que ele registre o sobrenome Fuck. Teve de fazer uma adaptação para Fuki. Isso também se aplica às suas contas de e-mail.

“Tenho alguns problemas para usar as mídias sociais (risos), porque as empresas acabam achando meu sobrenome ofensivo”, contou o ala-pivô, que vai tirando de letra a adversidade.

Fábio Aleixo Do UOL

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*